Dando linha à vida

http://1.bp.blogspot.com/-z-vQk512Np0/TV6Lm3BBfMI/AAAAAAAAAW0/rubKxBk9Bro/s1600/1285210996182_f.jpg     Quebramos a cara. Nos desfazemos em derrotas, recolhemos pedaços de nós mesmos e, numa dessas, sentimos que alguma coisa acabou se perdendo no caminho, como aquela última peça do quebra-cabeça que se perdeu no fundo do baú. Estranho como, de repente, um simples auto-fragmento parece fazer tanta falta. E faz mesmo.
     Encaramos o espelho e, ainda que o reflexo revele os mesmos olhos e cabelos, ainda falta algo ali, algo que a luz com todos os seus espectros não conseguiu refletir. E você vai procurar o que falta em todos os lugares. Vai caminhar pelos campos de batalha em que a derrota desabou sobre você, vai procurar nos bastidores do fracasso, mas não vai encontrar, porque, de uma forma muito estranha, uma rajada de vento cheia de obscuras intenções espalhou esses fragmentos. E o espelho acaba acusando a falha.
     Ah, então você volta mancando. Deixa o campo de batalha, com sua lança aos estilhaços, um escudo trincado e os olhos com discretas lágrimas orgulhosas que, para não desabarem no chão, prendem-se aos lábios e queixo.
     Porque é bem verdade o que dizem, "a vida é um campo de batalha", e dificilmente você vê alguém baixando a guarda. E você pode ter mil motivos para lutar, mas não vale a pena até ter um que seja o certo.
     Não se preocupe. Cedo ou tarde você vai cruzar com novos inimigos, e uma nova luta será travada. Sabem? A derrota faz parte, mas a vitória vem quando menos se espera. E, quando vencemos, ganhamos um presente. Mil peças se espalham em nosso caminho e, satisfeito, você descobre que uma delas sacia o eco deixado pelo último duelo.
     Então você se olha no espelho. Não está faltando nada, mas também não é aquela mesma pessoa completa de antes.
     Um pedaço novo - e não me refiro aos olhos ou cabelos - foi colocado em você e, com isso, a luz pôde exibir uma nova pessoa. Um novo guerreiro, com mais força e mais gana para as próximas lutas.
Não se preocupe com os pedaços que perdemos no caminho. Lembre-se que, lá na frente, a vitória irá compensar a perda com um encaixe perfeito, e você mudará constantemente.

     Mas sabe o pedaço que você deixou lá atrás, em suas derrotas? Pois é... Alguém estará lá, duelando no mesmo campo de batalha. E quando essa pessoa vencer, ela encontrará um pouco de você... E esse pouco será completo para ela.
     Por isso, não reivindique o que deixou pra trás. Isso já é bagagem de uma outra viagem, de um outro viajante. Lembre-se que, por onde você andou, alguém já havia passado por esse mesmo caminho e, na queda, deixou um pouco de si mesmo para você.
     Aceite. Conviva. Mas lute. Porque o campo de batalha é cruel, mas você é nobre, e é feito de um pouco de cada um.  E, feito de muitos, você é um exército inteiro. O inimigo vai precisar se empenhar cada vez mais se quiser derrubá-lo. Fique tranquilo. Ninguém vai deixar isso acontecer.

     Vai lá, campeão! A estrada é longa, com muitas paradas, muitas mudanças. Afinal, ninguém nasce apenas para morrer, certo?


Pedro Almada

3 inspirações:

  1. Pedro.............

    Preciso repetir que você escreve bem demais, e que esse elogio não é da boca pra fora???

    Não, não preciso... esse texto faz isso por mim :)

    Que palavras LINDAS!!! Que pensamento lindamente desenvolvido, amei, amei, amei a ideia abordada, o desenvolvimento, a conclusão....... você disse tudo! Fiquei emocionada!

    Continue seguindo seus sonhos e lutando suas batalhas :) Você é um campeão!

    Beijos,
    Sam

    ResponderExcluir
  2. Olá, Pedro!

    Muito legal seu texto sobre derrotas e batalhas. Inspirador!

    ResponderExcluir
  3. lindas palavras pedro!
    cheias de emoção e experiencia!
    parabens!

    ResponderExcluir

Sua opinião = espinafre
Eu = Popeye
Spam = Brutus
~~
Fique à vontade, dê sua opinião, diga o que pensa, critique e elogie. Só não perca a chance de ser lido ou ouvido quando lhe for dada essa oportunidade! xD
Boa leitura, e vai pela sombra \o/

 
Base feita por Adália Sá | Editado por Luara Cardoso | Não retire os créditos